terça-feira, 17 de setembro de 2013

Você sabe mesmo passear com seu cão?

Parece uma pergunta ridícula, mas observando o que as pessoas fazem na rua, dá pra ver que muitos não... Seguem algumas dicas:

- andar com o cachorro solto: nunca! Perigoso de ele ser atropelado, atacar outro cão, ser atacado por outro cão, incomodar as pessoas, comer coisas da rua (pode até ser veneno).

- tipo de coleira e guia: invista num modelo adequado à raça do seu cão e com um mínimo de qualidade. Peitoral em cão com mais de 8 kg nunca. Opte por bons modelos tradicionais, teste o mosquetão e as costuras, cuidado com o bonitinho mas ordinário, o ideal é tipo enforcador, de corrente ou lona. Não confunda enforcador com aquela horrenda coleira medieval de garras. 
Guia retrátil é só para adulto e que seja atento. Criança e pessoas que se distraem com uma mísera folha caindo, não devem usar este modelo. O cão vai puxar, se enfiar numa encrenca e não vai dar tempo de você reagir e impedir.

- imponha um ritmo: não adianta andar a uma velocidade de 0,089 metros por segundo durante o passeio. Aproveite este momento para fazer seu cão realmente gastar energia, e você também, óbvio.


- conduza: o chefe é você, não ele. Quem tem que determinar aonde vai e quando já deu o tempo de ele cheirar a arvorezinha da esquina é você. Também não permita que ele te puxe ou precise ser arrastado. O cão tem que andar ao seu lado, um pouco atrás, sinal de que está seguindo o líder e não o contrário. Não fique parado esperando pra onde o cão vai querer andar...coisa absurda! Imponha numa boa sua autoridade, mesmo no passeio e vai ficar mais fácil dele te obedecer dentro de casa.

- não delegue tarefa do passeio pra empregada: elas odeiam essa obrigação, vai por mim, eu vejo. Sentam onde der, ficam no celular e esperam dar o tempo pra voltar pra casa, esquece. Contrate um passeador bem indicado. Se não pode nunca exercitar um cão nem pagar para alguém fazê-lo adequadamente, não tenha um.

- respeite o horário: cão sabe a hora do passeio e vai te cobrar, ele precisa disso. Você tem mil diversões, ele não. Também não saia em horas de calor intenso, pra ele não queimar as patas, cuidado com hipertermia, especialmente em raças de focinho curto.

- deixe-o "aprender" a correr: parece loucura, mas não é. Eles ficam tão contidos dentro de um apto ou só andando com a coleira que quando soltos, não sabem correr, pulam que nem cabritos, tudo torto, estranho. Solte seu cão de vez em quando em local seguro e estimule-o a correr. É fundamental!!!

- aproveite este momento só para vocês dois. Façam amizades caninas e humanas. Fale com ele, elogie-o. Socialize-o com o mundo. É o melhor momento do dia pra ele pode ter certeza e pode ser o seu também.




quarta-feira, 17 de julho de 2013

Revista MEU PET - Julho/13


Estamos no Guia de Filhotes da revista Meu Pet de Julho. Confira nossas dicas!

sábado, 18 de maio de 2013

Pedigree - como funciona o registro de um cão

Quando ocorre a compra de um filhote, especialmente se por um leigo, percebo muita ansiedade sobre o recebimento do documento de pedigree. Resolvi então explicar como funciona para justificar por que não é na hora da compra ou imediatamente após a mesma, que o comprador irá receber o pedigree de seu filhote e por que ele precisa ter um pouquinho de paciência. Vou explicar as regras:

1) O criador tem até 90 dias após o nascimento da ninhada para o registro dos filhotes sem multa e até 180 dias para registrá-la, porém com o pagamento de uma multa.
2) Para o registro dos filhotes precisa-se ter em mãos:
a) cópia do pedigree da mãe, que deve ser de propriedade do criador que está registrando a ninhada em seu canil.
b) cópia do pedigree do pai, que pode ser do criador, ou ser um padreador contratado, pertencente a outra pessoa/canil
c) mapa de ninhada preenchido com os nomes dos filhotes nascidos, sexos e cores, dados do canil e dos pais da ninhada bem como assinatura dos dos donos dos cães envolvidos.Quando se trata de padreador contratado, geralmente o dono do macho só realiza a assinatura do mapa de ninhada mediante o pagamento combinado pela cruza, que pode ser em filhote ou em dinheiro. Geralmente este pagamento ou a escolha do filhote pelo dono do macho é realizada por volta dos 50 dias de vida da ninhada, por isso esse é o momento em que a maioria das ninhadas é registrada, na época da entrega dos filhotes a seus novos donos.
3) Preenchidos e juntados todos esses documentos, o criador leva ao kenel clube de sua cidade ao qual é associado que funciona como um cartório, e dá entrada nos documentos, pagando as taxas envolvidas. No ato recebe um comprovante de registro para cada filhote da ninhada.
4) O Kenel local então envia à CBKC com sede no RJ esta documentação que vai ser toda conferida (nomes, cores, proprietários dos pais, etc etc), para que então seja fornecido um número de RG ao cão e confeccionado o pedigree do mesmo. Todos os pedigrees expedidos no Brasil são feitos pela CBKC no RJ e nos meses com maior número de filhotes registrados o prazo para a confecção do documento pode ser maior. O prazo pode variar, mas a maioria dos pedigrees chega antes de 90 dias.
5) Estes pedigrees então retornam ao kenel local, que avisa o criador.
6) Criador busca os pedigrees da ninhada e envia aos compradores de seus filhotes.

Sendo assim:
1) Não é o criador que faz o pedigree do filhote vendido, ele apenas garante que o comprador irá receber o documento
2) O criador depende da burocracia envolvida e não tem controle sobre os prazos da CBKC
3) Tenha um pouquinho de paciência... rs

Obrigada!