sexta-feira, 24 de junho de 2016

Filhotes

Nossas próximas ninhadas de filhotes para companhia nascem a partir de 15/setembro. Cor marta. Reserva antecipada com desconto, consulte.

11- 99974-3159

terça-feira, 15 de abril de 2014

Desde sempre... paixão




segunda-feira, 14 de abril de 2014

Festa infantil tema Sheltie

Divido com vocês o trabalho lindo que a Invvitare fez para uma cliente. Festa de aniversário da filhinha dela inspirada no Sheltie, o Mr. Bones, da minha criação e paixão da família. =D









sexta-feira, 4 de abril de 2014

SAINDO DO TRADICIONAL

Pra conhecer um pouco mais sobre a raça, algumas fotos de Shelties com cores nem tão tradicionais... =)


Azul Ardósia


Azul (Bi Blue), marcação bem fechada


Preto e Branco (Bi Black), tb marcação bem fechada


Azul merle com bastante preto


Cryptic Bi Blue (cão com genótipo azul merle, porém o preto foi bem pouco modificado, dando a impressão de ser Bi Black)




marta CHW


marta com excesso de banco


Azul ardósia com excesso de branco


Preto e Branco com excesso de branco



Marta merle com marcação bem destacada em branco na cabeça



azul CHW


marta com excesso de marcação branca na cabeça


PS: Todas as fotos aqui são meramente ilustrativas, retiradas da internet (domínio público), com intenção de apenas mostrar Shelties de cores e marcações um pouco diferentes do tradicional. Nada além disso. 





terça-feira, 17 de setembro de 2013

Você sabe mesmo passear com seu cão?

Parece uma pergunta ridícula, mas observando o que as pessoas fazem na rua, dá pra ver que muitos não... Seguem algumas dicas:

- andar com o cachorro solto: nunca! Perigoso de ele ser atropelado, atacar outro cão, ser atacado por outro cão, incomodar as pessoas, comer coisas da rua (pode até ser veneno).

- tipo de coleira e guia: invista num modelo adequado à raça do seu cão e com um mínimo de qualidade. Peitoral em cão com mais de 8 kg nunca. Opte por bons modelos tradicionais, teste o mosquetão e as costuras, cuidado com o bonitinho mas ordinário, o ideal é tipo enforcador, de corrente ou lona. Não confunda enforcador com aquela horrenda coleira medieval de garras. 
Guia retrátil é só para adulto e que seja atento. Criança e pessoas que se distraem com uma mísera folha caindo, não devem usar este modelo. O cão vai puxar, se enfiar numa encrenca e não vai dar tempo de você reagir e impedir.

- imponha um ritmo: não adianta andar a uma velocidade de 0,089 metros por segundo durante o passeio. Aproveite este momento para fazer seu cão realmente gastar energia, e você também, óbvio.


- conduza: o chefe é você, não ele. Quem tem que determinar aonde vai e quando já deu o tempo de ele cheirar a arvorezinha da esquina é você. Também não permita que ele te puxe ou precise ser arrastado. O cão tem que andar ao seu lado, um pouco atrás, sinal de que está seguindo o líder e não o contrário. Não fique parado esperando pra onde o cão vai querer andar...coisa absurda! Imponha numa boa sua autoridade, mesmo no passeio e vai ficar mais fácil dele te obedecer dentro de casa.

- não delegue tarefa do passeio pra empregada: elas odeiam essa obrigação, vai por mim, eu vejo. Sentam onde der, ficam no celular e esperam dar o tempo pra voltar pra casa, esquece. Contrate um passeador bem indicado. Se não pode nunca exercitar um cão nem pagar para alguém fazê-lo adequadamente, não tenha um.

- respeite o horário: cão sabe a hora do passeio e vai te cobrar, ele precisa disso. Você tem mil diversões, ele não. Também não saia em horas de calor intenso, pra ele não queimar as patas, cuidado com hipertermia, especialmente em raças de focinho curto.

- deixe-o "aprender" a correr: parece loucura, mas não é. Eles ficam tão contidos dentro de um apto ou só andando com a coleira que quando soltos, não sabem correr, pulam que nem cabritos, tudo torto, estranho. Solte seu cão de vez em quando em local seguro e estimule-o a correr. É fundamental!!!

- aproveite este momento só para vocês dois. Façam amizades caninas e humanas. Fale com ele, elogie-o. Socialize-o com o mundo. É o melhor momento do dia pra ele pode ter certeza e pode ser o seu também.




quarta-feira, 17 de julho de 2013

Revista MEU PET - Julho/13


Estamos no Guia de Filhotes da revista Meu Pet de Julho. Confira nossas dicas!

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Problemas de pele em Shelties


Shelties são cães rústicos e no geral de pouca manutenção. Mas uma coisa que tenho reparado é o aumento de proprietários enfrentando esse tipo de situação em maior ou menor grau com seu Pastor de Shetland. Claro que é fundamental recorrer a um médico veterinário quando a situação fica persistente e desagradável ao cão, dono e ambiente, mas alguns erros comuns dos donos tb acontecem e prejudicam sobremaneira o equilíbrio da saúde dermatológica do animal. Elenquei aqui alguns fatores a serem observados e que podem fazer a diferença se bem cuidados no dia a dia:

Fatores emocionais – sim, estes cães são sensíveis a ponto de baixar a imunidade quando vc viaja, o deixa sozinho sempre quando vai trabalhar, quando está morto de tédio e sem atenção, quando não se diverte, quando tem ciúmes, etc etc etc. E essa baixa imunidade pode favorecer aparecimento de problemas. Um hotelzinho com atividades, creche semanal, contratar um passeador, brinquedos que exijam tempo e “raciocínio” do cão, dedicar um pouco mais de tempo a ele são fatores a se pensar e ajudam muito.

Alimentação -  oferecer somente ração super Premium. Até mesmo certas marcas de ração não são bem aceitas (dermatologicamente falando) pelos cães dessa raça. Não posso citar marca, mas sim, existe um certo grau de intolerância a algumas rações, caso perceba que pode estar acontecendo isso com o seu, tente outra marca entre as top.  Não oferecer nem como petisco:  alimentos com alto nível de gordura, temperos, farináceos, picantes, açucarados, frituras. Restos de comida humanos também são péssima idéia, mesmo que de vez em quando. Se seu cão já perde bastante pelos normalmente, considerar o uso contínuo de ração para peles sensíveis. Não há problema algum.

Suplementos – os de ácidos graxos como Ômegas 3 e 6 podem ser usados de vez em quando, especialmente em época de mais frio, de muda de pelos, mas por um breve período, consulte seu vet a respeito disso.

Banhos -  evitar ao máximo. O ideal é um a cada 30/40 dias. Se for em Pet Shop, busque uma empresa de qualidade e de preferência leve o shampoo de seu cão, um shampoo cosmético de boa qualidade (ex: Pet Society) ou um shampoo medicinal, se necessário, indicado pelo seu vet de confiança. Existem inúmeras formas de manter seu cão limpo sem dar banho. Use talco, lenços umedecidos, escove, etc, mas evite dar banho toda hora, isso é péssimo para ele.

Sol – o Sheltie PRECISA tomar ao menos um pouco de sol todos os dias. Sol é antisséptico para a pele e fundamental para fixação de vitamina D. Não esqueça nunca dele!

Controle de parasitas externos – Usar o anti-pulgas/carrapatos 1 vez a cada 3 meses ao menos. No verão o ideal é uma vez por mês. Cães em geral podem ter DAPP, que é a Dermatite Alérgica a picada de pulga. Nestes indivíduos, mesmo uma pulguinha pode causar um enorme estrago de coceira e queda de pelos. Para estes cães, como prevenção, o uso do Program  (via oral) ou outro produto similar, que impede a pulga de se reproduzir, usado em combinação com a pipeta de uso externo (na nuca) do Frontline, Advantage ou similares, uma vez por mês mostra-se bem eficiente. Sem esquecer de manter o ambiente livre dos parasitas, claro. Dedetize se necessário.

Controle de fungos e leveduras – Tb podem acometer principalmente a pele, ouvidos, ânus e órgãos sexuais do cão, podem ser de tratamento demorado. Podemos citar a Malassezia, que é muito comum e costuma ser recorrente (volta sempre quando não tratada corretamente). Se seu cão apresentar secreção escura nos ouvidos, leve no vet pra ele analisar se é fungo. Na pele também deixa uma aparência péssima. Trate corretamente e pelo tempo necessário que seu vet determinar.

Alguns problemas que devem ser investigados quando em situações mais duradouras, que só o vet pode diagnosticar e receitar medicação e tratamento . São elas (entre outras):

Dermatite Atópica – Processo alérgico que pode se dar por vários fatores, inclusive poeira, pólen, excesso de umidade do local onde o animal fica, etc.  

Dermatite Úmida -  Podem aparecer lesões arredondadas com casca endurecida e pus embaixo. Chamamos tb de “hot spot”.

Hipotireoidismo – É a descompensação de hormônios da tireóide. Deve ser investigada quando problemas de pele sem causa aparente viram reincidentes. Até convulsões esse problema pode causar nos cães nos casos piores e ainda assim alguns vets se esquecem de cogitá-la. É de certa forma comum aparecer na raça e pode ter causa auto-imune. Um perfil tireoidiano deve ser feito quando desconfia-se deste problema. Em cães acometidos, o uso do hormônio será diário e até o final da vida, mas os problemas de pele desaparecerão.

Em tempo, não sou veterinária nem sei de tudo, e minha única intenção é a de ajudar, por que mesmo veterinários têm vacilado na efetiva ajuda aos proprietários dos cães. Verifique no que vc como dono pode estar errando e Tb no que seu veterinário pode estar esquecendo de analisar. Considere Tb a homeopatia, que apresenta excelentes resultados, especialmente para casos crônicos.

sábado, 18 de maio de 2013

Pedigree - como funciona o registro de um cão

Quando ocorre a compra de um filhote, especialmente se por um leigo, percebo muita ansiedade sobre o recebimento do documento de pedigree. Resolvi então explicar como funciona para justificar por que não é na hora da compra ou imediatamente após a mesma, que o comprador irá receber o pedigree de seu filhote e por que ele precisa ter um pouquinho de paciência. Vou explicar as regras:

1) O criador tem até 90 dias após o nascimento da ninhada para o registro dos filhotes sem multa e até 180 dias para registrá-la, porém com o pagamento de uma multa.
2) Para o registro dos filhotes precisa-se ter em mãos:
a) cópia do pedigree da mãe, que deve ser de propriedade do criador que está registrando a ninhada em seu canil.
b) cópia do pedigree do pai, que pode ser do criador, ou ser um padreador contratado, pertencente a outra pessoa/canil
c) mapa de ninhada preenchido com os nomes dos filhotes nascidos, sexos e cores, dados do canil e dos pais da ninhada bem como assinatura dos dos donos dos cães envolvidos.Quando se trata de padreador contratado, geralmente o dono do macho só realiza a assinatura do mapa de ninhada mediante o pagamento combinado pela cruza, que pode ser em filhote ou em dinheiro. Geralmente este pagamento ou a escolha do filhote pelo dono do macho é realizada por volta dos 50 dias de vida da ninhada, por isso esse é o momento em que a maioria das ninhadas é registrada, na época da entrega dos filhotes a seus novos donos.
3) Preenchidos e juntados todos esses documentos, o criador leva ao kenel clube de sua cidade ao qual é associado que funciona como um cartório, e dá entrada nos documentos, pagando as taxas envolvidas. No ato recebe um comprovante de registro para cada filhote da ninhada.
4) O Kenel local então envia à CBKC com sede no RJ esta documentação que vai ser toda conferida (nomes, cores, proprietários dos pais, etc etc), para que então seja fornecido um número de RG ao cão e confeccionado o pedigree do mesmo. Todos os pedigrees expedidos no Brasil são feitos pela CBKC no RJ e nos meses com maior número de filhotes registrados o prazo para a confecção do documento pode ser maior. O prazo pode variar, mas a maioria dos pedigrees chega antes de 90 dias.
5) Estes pedigrees então retornam ao kenel local, que avisa o criador.
6) Criador busca os pedigrees da ninhada e envia aos compradores de seus filhotes.

Sendo assim:
1) Não é o criador que faz o pedigree do filhote vendido, ele apenas garante que o comprador irá receber o documento
2) O criador depende da burocracia envolvida e não tem controle sobre os prazos da CBKC
3) Tenha um pouquinho de paciência... rs

Obrigada!