terça-feira, 30 de novembro de 2010

Quanto custa um cão

Quando alguém decide ter um cão, deve pensar bem em quanto está disposto a investir de dinheiro nele. O preço dele é apenas o começo. Para completar a vacinação do filhote vão uns R$ 300 no mínimo, os medicamentos veterinários são mais caros que os humanos, exames, serviços, acessórios e alimentos não ficam atrás. Um saco de 3kg de boa ração custa por volta de R$ 60. Uma consulta pode variar de R$ 70 a R$ 160 (urgências) dependendo do profissional e da cidade. Uma diária de internação pode chegar a R$ 250. Não tem choro nem vela. Alguns cães podem precisar de adestradores comportamentalistas, outros de serviços especializados de acupuntura, fisioterapia. Há raças que precisam de muito trato especializado de pelagem que só pode ser feito em pet-shop.  Se você viajar vai precisar hospedá-lo as tarifas rolam a partir de R$ 40 o dia e assim vai. Se não pretende ter essas despesas, melhor comprar uma bolsa, um sapato, um I-Phone, sei lá..

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Estamos em luto

Pela partida prematura e inesperada de um cãozinho muito especial...

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Flash chegou!

O novo padreador dos canis Von Kempten e Ibiza, vindo do Canil Scaramouche - RJ
Flash é filho da campeoníssima Grandgables Gotta Love the Look com o maravilhoso Lynphil´s Better Talk Now (propr.: Seafox Shelties).



domingo, 14 de novembro de 2010

Os "sins" e "nãos" da raça

Como as perguntas que recebo são sempre as mesmas, coloquei aqui um roteirinho pra que as pessoas possam entender mais e com rapidez, os principais aspectos da raça:

SIM                                                     
- adapta-se facilmente a apartamentto          
- gosta de criança                            
- é facilmente treinável                    
- TEM que tomar banho a cada 40 dias mais ou menos. Nada dessa história que a raça não pode tomar banho, por favor! É saudável e higiênico dar banho em seu cão.
- adapta-se à convivência com outros animais
- gosta demais de agradar o dono
- é calorento
- exige muito cuidado com os dentes
- é ciumento
- precisa de muita socialização quando filhote para não se tornar um adulto medroso
- tem uma saúde boa e de fácil manejo
- as fêmeas são boas parideiras e boas mães
- vivem bastante, média de 12 anos
- pode possuir uma variação grande de tamanho, de 33 a 39,5cm é tudo Sheltie do mesmo jeito.

NÃO
- gosta de ficar sozinho muitas horas por dia, todo dia
- late sem motivo, mas vocaliza quando estimulado por alegria, campainha ou outros
- faz amizade rapidamente com estranhos
- precisa de muito exercício, mas para cães de apartamento, 2 saídas diárias são fundamentais
- exige atenção direta, contenta-se em estar no mesmo local com o dono
- curte nadar, mas gosta de tomar chuva
- exige muito cuidado com a pelagem
- é um cão frágil
- é destruidor (roer e estragar coisas do dono e da casa)
- tem mau-cheiro
- chama-se mini-collie nem mini-lassie, é Pastor de Shetland (lê-se Chétland) ou Sheltie (lê-se Chéltie). Também não é Pastor de "SHIT"land pelo amor de Deus...rs
- importa o peso do Sheltie para o padrão da raça, apenas a altura. Pode-se encontrar um pequenino com estrutura forte que pese mais que um altão fininho e com pouca ossatura.

Conforme for me lembrando ou recebendo sugestões de coisas a acrescentar, melhorarei a lista!





               

sábado, 6 de novembro de 2010

Veterinários...

Perco completamente a paciência com veterinário que não manja NADA de cinofilia, não sabe o que é um padrão de raça (mal conhece as raças), implica com uma tala em orelha, com um bigode cortado, como se isso fosse alterar alguma coisa na vida do cão... Por isso, veterinário só se for também criador, #prontofalei

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Cães grandes convivendo com pequenos

Sempre me perguntam se há problema adquirir um Sheltie para conviver com um cão de grande porte, já existente na residência do interessado, dividindo um mesmo espaço. É o tipo da coisa delicada. Particularmente sou contra e prefiro não vender. Já tive um acidente de ataque de minha Rottweiler e perdi uma linda matriz importada, episódio que me deixou arrasada por semanas. Uma Kuvasz também levou a Sheltie de um amigo a óbito.  A Golden do amigo de um cliente, mordeu gravemente numa brincadeira brusca, um filhote que vendi. Também tive um episódio de numa brincadeira, 2 cães de raças e tamanhos diferentes se chocarem ao correrem um pra cada lado. Resultado: grave fratura de uma pata dianteira do menor.  Isto só para citar alguns casos. Os ataques são absolutamente imprevisíveis. Podem SIM ocorrer entre cães que aparentemente convivem de forma harmônica. Um dia um acorda de mau-humor e desconta no outro, também pode atacar para tentar defender o que considera seu (comida, brinquedos, entre outras coisas), por ciúme, etc.  Também existe a possibilidade de ocorrer o que chamamos de "agressividade redirecionada", que ocorre por exemplo quando os cães de dentro da casa, querem brigar com um que esteja passando próximo ao portão. Na impossibilidade de atacar o alvo, o cão ataca quem está mais perto dele, ou seja, o outro cão da casa. Em todos esses casos, quando se trata de brigas entre cães de mesmo porte e em pé de igualdade ainda vai, mas imagine se estivermos falando de um cão de 40 quilos versus um de 10? É de se esperar que o resultado seja realmente catastrófico. Portanto, ao me perguntarem se acho possível a convivência a longo prazo, minha resposta é NÃO. Cuidado também com hotéizinhos e day-cares que não fazem distinção de porte de cães ao hospedá-los e recreá-los. Cães de tamanhos diferentes devem ser criteriosamente separados para evitar acidentes.  São cuidados simples que evitam situações muito desagradáveis, dispendiosas e muitas vezes demasiadamente tristes...