terça-feira, 17 de agosto de 2010

Reportagem muito interessante...

Homens que tem cachorro fazem mais sucesso com as mulheres. (publicado no site Vila Mulher do Terra em 16/08/10)

Todo mundo já sabia, mas agora a comprovação é científica. Cachorros ajudam as pessoas a melhorar suas interações humanas. Melhor, ajudam os homens a terem mais chances com as mulheres.
Perguntar se o cachorrinho tem telefone pode mesmo ser uma ótima cantada.
No final de 2008, os franceses Nicolas Guéguen e Serge Ciccotti publicaram no jornal "Anthrozoos", o resultado de experimentos que levavam em consideração a companhia ou não de um cachorro. E os resultados, apesar de não surpreenderem, mostram o poder dos cãezinhos para a aproximação das pessoas.
No primeiro teste, um homem pediu dinheiro na rua para 80 pedestres. Sem o cachorrinho, apenas 9 doaram. Com o peludo, 28! Mulheres levaram a melhor nessa. Quando uma pediu dinheiro com o bichinho ao lado, mais da metade dos 100 abordados fez doações, de valores ainda maiores.
No outro teste, um homem derrubou moedas no chão para ver se as pessoas pegariam para ele. De 40, 23 ajudaram quando ele estava desacompanhado. O número subiu para 35 quando tinha um cãozinho na guia.
Mas o melhor mesmo foi o teste do telefone - já que os dois acima envolvem fatores como humanidade e solidariedade. Nesse último, jovens mulheres foram abordadas na rua por um homem que pedia seu telefone. Apenas 11 de 120 deram o número quando o cidadão estava sem o melhor amigo. E 34 passaram o contato quando viu que o cara de pau tinha um cachorro. É mole!
Guéguen e Ciccotti concluíram que a presença do cachorro estava associada a uma alta taxa de bondade e confiança. "Está é uma descoberta incrível. A facilidade de um homem conseguir o telefone de uma mulher é três vezes maior se ele tiver a companhia de um cachorro!" E é mesmo.
O Vila Dois perguntou para algumas mulheres a opinião e adivinhe? Unanimidade. Se o gato tiver um cachorro, ganha o coração da moça rapidinho! "A gente já pressupõe que eles são mais sensíveis se dizem que tem um", afirmou Mariana, de 26 anos. "E dá a impressão de mais responsabilidade também, já que ter um animal de estimação demanda cuidados especiais", completou Roberta, de 30.
Por Sabrina Passos (MBPress)

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Lidando com a perda do seu cão

Quando perdemos um ser amado, nos vem aquela sensação de impotência, ficamos incrédulos e a tristeza imediatamente invade o coração da gente. Nada diferente de quando perdemos um cão de estimação. Tenha ele ficado 5 meses ou 15 anos ao lado da gente e de nossa família, falecido de causas naturais ou por uma doença ou acidente, certamente existe toda uma história, momentos bons, aprendizados, fotos, memórias. Não há necessidade de ignorar esses sentimentos, é perfeitamente plausível sofrer por um animalzinho. Guardar luto, querer sepultá-lo ou cremá-lo, homenageá-lo, tudo como se fosse realmente um ente querido, e quem disse que não é?
Uma ocasião dessas também não deixa de ser uma oportunidade de ensinar às crianças que conviviam com ele, sobre a fragilidade da vida, sobre o fato de que a morte é inevitável e que um dia todos poderemos nos encontrar num outro plano. Esconder a verdade só gera ansiedade e desconfiança nelas.
Outra coisa interessante, é que geralmente as pessoas quando perdem um animalzinho muito amado dizem que nunca mais irão querer outro. Não se castigue desta forma, privando-se de se apaixonar por um outro bichinho que possa lhe dar tantas alegrias quanto lhe for possível. Não é questão de substituir, jamais, mas sim permitir-se amar e ser amado por um outro peludinho. Ter sua companhia, cuidar dele, se divertir, ensiná-lo, rir com ele. Ter um cão de estimação é uma terapia, uma alegria, um privilégio. Aproveite!

"A vida dos cães é demasiado curta. Na verdade, é o único defeito que têm." Agnes Sligh Turnbull