domingo, 31 de outubro de 2010

Por uma ninhada maior...

Li um artigo muito interessante na Dog World deste mês, escrito por Caroline Coile. Ele descrevia como alguns fatores podem interferir no número de filhotes nascidos numa ninhada. O primeiro deles é a excessiva antecipação da inseminação. Segundo o artigo, depois da ovulação, ainda demora uns 2 dias até que os óvulos estejam prontos para serem fecundados. A monitoração hormonal via análise sanguínea, realizada por um veterinário pode ajudar a determinar o(s) dia(s) com maior probabilidade de sucesso para que o procedimento seja realizado.
Um segundo aspecto é a baixa contagem ou qualidade dos espermatozóides do padreador.  Nem sempre este fator é levado em conta, mas em caso de repetição de poucos filhotes numa ninhada, com diferentes fêmeas, vale a pena investigar.  O uso de sêmem resfriado ou congelado também reduz a chance de sucesso de uma ninhada mais numerosa.
A idade da matriz também conta. Fêmeas muito jovens ou bem mais velhas também mostram-se menos prolíferas.  Hipotireoidismo e obesidade na matriz também parece interferir sobremaneira nos resultados, gerando poucos ou mesmo nenhum filhote num acasalamento. É comum que ocorram abortos ou até mesmo nascimentos prematuros.
Por fim, uma pesquisa realizada durante 3 anos com as 15 principais raças registradas nos EUA pelo American Kennel Club, apresenta que a média de filhotes numa ninhada da raça Pastor de Shetland é de 4,3 filhotes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário