quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Scarlet na expo do KCSP


Ch. Filh. Sweet Scarlet Von Kempten - aos 6 meses e meio de idade em sua estréia, no KCSP em 17/18 de outubro. Preparada e apresentada pela handler Sinara Salustiano. Melhor filhote em 2 pistas, segundo melhor filhote na terceira pista. Primeiro e segundo lugar de grupo 1, categoria Filhotes. Me deixando muito orgulhosa, Scarlet é uma feminha precoce em termos de pelagem, muito homogênea e carinhosa. Uma filha do Jack que já começa a despontar em pista, precedendo irmãos e irmãs que farão sua estréia ano que vem.


terça-feira, 20 de outubro de 2009

A partida do Robin

Mês passado eu perdi meu Robin. Mais precisamente Sir Robin Hood da Estação do Cão, de 10 anos de idade.   Demorei pra escrever aqui sobre isso...estava esperando pintar uma inspiração. Não fiquei arrasada com a sua partida. Ela foi rápida e serena, e pensando bem, quando um ciclo se completa, é muito mais fácil de entender e aceitar. A morte dói mais quando interrompe bruscamente uma história que ainda não terminou de ser escrita. A sua foi inspiradora, alegre e deixou uma mensagem para reflexão.   Robin foi meu primeiro Sheltie azul. Veio do Rio, do canil do Paulo, aos 5 meses, proveniente da primeira ninhada do canil dele. Confesso que em 99 estava só preocupada em introduzir o gene merle no meu plantel, mas tive sorte de receber um cão com uma linhagem sensacional (do Asterisk). Fora a beleza, uma meiguice e inteligência notáveis. Robin nunca foi um cão que gostasse de pista, tornou-se campeão, mas era bem desengonçado e desencanado. Porém sua genética forte deixou um legado importante. Muitos campeões de beleza (incluindo o filho vencedor do ranking 2005 e o neto, vencedor do ranking 2008) e também no agility (2 filhos campeões MUNDIAIS), que me orgulham demais.
Robin era um cão meigo, paciente, brincalhão. Adorava filhotes, chegando ao ponto de entrar na caixa da fêmea pra ficar com os bebês pequeninos. Com os filhotes mais velhos ele gostava de brincar de "amassar"... Ia empurrando-os com a cabeça e focinho até os pequenos ficarem de barriguinha pra cima, tentando escapar. Quando ele cansava e parava, os pequeninos vinham pedir mais bagunça a ele...era lindo de se ver, além de raro, pois os machos normalmente não são interativos com as crias.
Muito paciente também com crianças, pegou a fase de bebê das minhas sobrinhas, levou bastante puxões de pelos e serviu de "apoio" pra elas ficarem em pé quando ainda mal sabiam andar.

Robin cumpriu sua missão. Ele conseguiu em 10 anos o que muitos seres humanos não conseguem em 70. Ter uma vida plena, contribuir para a melhoria de sua espécie e deixar um nome a ser lembrado. Além de ter escrito seu nome no meu coração para sempre. Meu menino gorducho...fica com Deus e um dia a gente se encontra.